Vida prática apresenta a influencer Ohana Garcia

Por Maria Cláudia Aravecchia Klein
Fotos: Tiago Felipe da Doce Momento Fotografia
Make-up artist: Dani Stoppa
Hair stylist: Paula Jones
Looks: Roupas e acessórios Dondoca Vende Tudo

Sabe aquele tipo de pretty woman que chega num evento de influencers digitais e chama a atenção pelo seu andar leve e aquele estilo cool bem típico de modelo de passarela?

A Ohana Garcia é super delicada e tem aquele andar leve e refinado até mesmo quando está com um dos dois filhos a tiracolo. Essa brasiliense – sim, ela nasceu em Brasília, no Distrito Federal, – ela é filha de Marta, funcionária pública e Edgar, consultor financeiro, que é um verdadeiro vovô coruja e sempre fica com os netos, quando a filhota precisa trabalhar.

“Passei toda minha infância em Brasília. E, entre as lembranças marcantes está a minha relação com meus avós maternos, que era de muito cuidado, carinho e compreensão. Lembro também de como brincávamos naquela época no meu bairro. As crianças chegavam da escola e iam brincar na própria rua com seus vizinhos. Passávamos a tarde e uma parte da noite brincando, sem medos ou preocupações de violência etc”, lembra ela, que está com 27 anos agora.

Quando perguntamos sobre um sonho que ela tinha quando ainda era meninas, Ohana conta que sempre quis ser atriz e bailarina. “Além disso, eu sonhava em ter os cabelos compridos como os da Rapunzel, amarrava lenços, toalhas para fingir que era cabelo (e fiz isso até quase na adolescência, rs)”, brinca.

“Eu era uma criança muito brincalhona, extrovertida e tagarela. Fazia amizade com todas as crianças da rua e lembro que passava o dia querendo brincar e mais nada. Porém, naquela época nós não tínhamos muita educação sobre bullying e sinto como se as crianças antigamente fossem muito cobradas a terem responsabilidades e amadurecerem muito rápido. Eu sofri muito com essas duas coisas na infância. Então, na minha cabeça, minha infância foi marcada por dois momentos: a criança extremamente extrovertida e autêntica que se divertia muito. E por outro lado, me senti muito “podada” pela autenticidade e aparência física. Assim, me tornei depois uma criança retraída, envergonhada e que achava que o comportamento ideal era se parecer com um adulto, pela cobrança de ser madura”, conta ela.

A carreira de professora de dança

Ohana começou a dançar aos 11 anos de idade, após assistir uma apresentação de Dança do Ventre no trabalho da mãe. “Eu lembro até hoje desse dia, como fiquei encantada! Eu via as bailarinas como fadas, princesas e queria dançar igual. Eu e minha prima procuramos uma academia e começamos a fazer aulas de dança do ventre. Não foi nada fácil, pois naquela época essa modalidade não era tão popular, mas encontramos. Logo depois de uns meses matriculadas, começou a novela “O Clone” e foi aquele “boom” da Dança do Ventre no Brasil. Desde então, nunca mais parei de dançar, fui me profissionalizando e me interessando por outras modalidades de dança. E em 2011 entrei na faculdade de Licenciatura em Dança pelo Instituto Federal de Brasília, cursei 2 anos e fui obrigada a fazer uma pausa devido à uma lesão na lombar”, afirma.

A carreira de modelo começou na adolescência, quando ela tinha 14 anos. “Fui abordada na escola e minhas amigas me incentivaram muito. Comecei sem muita pretensão, mas logo me agenciei e comecei a trabalhar como modelo. A partir dos 16 comecei a despontar no mercado de moda em Brasília e a fechar vários trabalhos. Mais tarde, quando tive meu primeiro filho e vim morar em São Paulo, voltei a modelar, porém dei outra pausa nas duas carreiras para ter minha segunda filha”, explica ela, que depois dos dois filhos está se programando para voltar a dançar e a modelar esporadicamente.

Vestido de bolinhas ou poá é um clássico em qualquer estação. Esse curtinho lindo é da loja Dondoca Vende Tudo.

Quando decidiu ser mamãe? 

“O primeiro bebê não foi programado, mas sempre tive em mente que quando eu me tornasse mãe, eu teria ao menos dois filhos. Quando tive o primeiro, eu e meu marido já estávamos planejando quando teríamos o segundo, pois não queríamos que o João fosse filho único como nós dois fomos”.

Look da Dondoca Vende Tudo: vestido fluído ideal para o verão que pode ser usado tanto no dia a dia quando naquele evento especial.

O papel de influenciadora digital

“A carreira de influenciadora foi acontecendo de forma natural. Chegou um momento em que as pessoas que me acompanham nas redes e alguns amigos me falaram: Ohana, você é sim uma influenciadora! No início achei um pouco exagerado o termo, mas aos poucos fui aceitando e compreendendo o termo “Influenciadora digital”.

Assistindo algumas palestras e conversando com amigos do ramo do marketing digital, descobrimos que influenciadores existem há muito tempo e agora usaram das redes uma ferramenta para tornar possível a profissão. Então, me lembrei das vezes em que modelava e ganhava um mimo de uma loja para fazer “propaganda” enquanto usava (boca a boca mesmo, as pessoas viam eu usando algo e perguntavam de onde era, onde tinha comprado…), lojas sempre disponibilizavam roupas para nós modelos irmos a eventos, e também me lembrei das minhas aulas de dança. Minhas alunas sempre me perguntavam de absolutamente tudo: roupa, cabelo, unhas, cuidados pessoais e etc, e nós tínhamos uma troca muito bacana. Como professora, eu compreendi o poder da influência e o cuidado que devemos ter com o que falamos/indicamos, todas aquelas pessoas estão se inspirando em nós, todas elas decidem fazer aula e continuar tendo aulas com você porque acreditam e confiam no seu trabalho.

Meu Instagram foi tendo visibilidade com pessoas da dança e do ramo de moda e fotografia, hoje tenho diversos públicos, inclusive mamães e eu acho isso maravilhoso! Poder falar com diversas pessoas, ajudar de alguma forma e compartilhar momentos, apoiar e ter uma troca de vivências bem bacana e respeitosa”, diz.

Ohana sendo maquiada pela Dani Stoppa, nossa colunista expert em make-up

Segundo Ohana, antes ela não tinha muita preocupação com conteúdo. “Depois foram surgindo as perguntas e comecei a dar mais atenção ao que publicava: de onde era o figurino de dança que eu usei naquela apresentação, como eu me maquiava, muita gente pedindo dicas de looks e quando virei mãe, muitas questões sobre maternidade e como conciliava minha vida profissional e pessoal depois de ser mãe. Hoje, busco mostrar um pouco disso no meu feed e stories, e quero melhorar cada dia mais as informações que meu público questiona. Eu busco fazer tudo isso sempre da minha maneira, da forma como eu falo e sou, porque acho que o público que me acompanha deve se identificar comigo antes de qualquer coisa”, orienta.

Atualmente, Ohana quer se organizar para voltar a trabalhar com mais planejamento e principalmente voltar a se exercitar. Com a chegada do segundo bebê, a vida mudou completamente, são outras necessidades, outra disponibilidade de tempo… e ela ainda está na busca de conseguir conciliar tudo isso.

Quais são os seus planos atuais e futuros?

“Meus planos atuais são estabelecer uma rotina mais saudável para todos em casa, mais planejada e com isso poder voltar a me organizar para realizar meus projetos pessoais que estão em pausa desde que me tornei mãe. Para o futuro: tenho planos de ter um ecommerce além de voltar a dançar e dar aulas, retomar minha faculdade e continuar crescendo no mercado de influenciadores, alcançando mais pessoas e contribuindo de alguma forma para a vida de cada uma delas”, conta ela que fica quase o dia todo online. “Tento não dividir a atenção entre celular e meus filhos. Quando eles me chamam para brincar e precisam de atenção, horários de refeições eu deixo o celular de lado. Por outro lado, ficar online tem sido uma “companhia” e tem me ajudado ao conversar e trocar experiências com outras pessoas, já que fico boa parte do dia sozinha com as crianças”, desabafa.

O que faz para ter uma vida mais prática?

Hoje, busco sempre organizar tudo o que preciso fazer no momento em que as crianças estão dormindo ou na escola. Assim, quando preciso dar total atenção para os dois, as coisas do dia a dia já estão mais “ajustadas”, isso torna o meu dia um pouco mais prático, mas confesso que não é sempre que consigo fazer isso.

%d blogueiros gostam disto: