Perder o controle ou controlar as emoções?

Por Luciane Cadan
Fotos: Reprodução Internet

O que faz você perder o controle? A birra do filho? O trânsito? O atraso de alguém? Ser ignorado? As emoções podem se desencadear rapidamente, são muito importantes para a vida, podem ser útil para os momentos de emergência, mas também prejudicial em outros.

O controle emocional pode ser perdido em qualquer área, seja ela pessoal, profissional ou até mesmo consigo mesmo. Muitos de nós foram ensinados a reprimir emoções e não a ter controle sobre elas.

Muitas vezes, expressamos a emoção de forma incorreta também. Outra maneira é sentir uma emoção apropriada, porém não saber lidar com a intensidade dela. E, outra forma é sentir uma emoção errada, ou seja, ter medo ou ser cauteloso em situações que depois sentimos que não precisaria ter esse sentimento, como uma autossabotagem.

O que fazer para ajustar essas emoções? Para ter o controle? Os sinais enviados para o cérebro permitem que a amígdala vasculhe a procura de problemas. Como se estive perguntando: tenho medo disso? Isso me machuca? Eu odeio essa sensação? E se a resposta for afirmativa, a amígdala reage instantaneamente, enviando mensagens para o cérebro. Assim, o corpo se prepara para reagir, fugir, lutar…

O que isso quer dizer? Que devemos controlar nossos pensamentos e o autoconhecimento é fundamental. Dependendo da situação, podemos nos familiarizar com ela, ou seja, nosso subconsciente retira memórias de outras situações. Se algum gesto ou palavra, nos lembra algo que já passamos de ruim, a emoção novamente surgirá. Por isso é importante a escolha de pensamentos e a forma como vai reagir.

Mesmo assim, não tem como exterminar tudo o que pensamos, eles irão surgir, o que devemos fazer é tomar consciência disso e escolher outro pensamento mais adequado. Deixar de lado o pensamento que incomoda e focar a atenção no pensamento mais apropriado e confortável. Não é fácil, porém é uma questão de hábito, focar a atenção e ‘ressignificá-lo’ se possível.

Outra técnica é saber o motivo desse pensamento, a origem dele. Estou pensando assim porque algo parecido aconteceu comigo no passado? E ao saber a origem, devemos saber separar desse pensamento, alguns pensamentos e situações se repetem somente para que tenhamos um aprendizado e se é para aprender algo, que seja positivo.

Diante daquilo que chamamos de realidade, interpretamos tudo ao nosso redor. Por isso somos responsáveis por nós mesmos e de como vamos reagir em todas as situações. Se o outro me fez sentir mal, é nosso dever interromper, bloquear, porque não podemos controlar ninguém.

Ademais, acredite no seu potencial, na sua força, e fortaleça seu próprio controle emocional.

Luciane Cadan Peretti é master coach especialista em Psicologia Positiva, Coaching e Qualidade de Vida no Trabalho. Aos 41 anos, sente-se muito feliz na família e na escolha profissional. Ela é casada com o Reinaldo, com quem tem dois filhos:  Miguel,  10 anos e Heitor, 6 anos. Atuou como funcionária pública pelo Estado de SP por algum tempo, com uma rotina de inúmeras viagens e expedientes mais longos. Foram muitas viagens e muitos dias sem família. Porém, ao ver seu papel como mãe cada vez mais distante e diante da gravidade do diabetes, que enfrenta desde a infância, ela adoeceu. Depois de um período de reflexões, quando parou para estudar e encontrar um novo caminho profissional, ela escolheu ser Coach. Por formação, Luciane é educadora física, um dos fatos cruciais para a sua tomada de decisão. Hoje, ela atua com atendimentos presenciais e online de coaching, com clientes em todo o Brasil e no Japão, EUA e Portugal. Além de ter se encontrado na nova profissão, ela tem mais tempo para a família, mais qualidade de vida e muito mais tempo para fazer as suas próprias escolhas.

Luciane Cadan Peretti
Master Coach Especialista em Qualidade de Vida
www.motivacaocoaching.com.br
Rua Cardoso de Almeida, 788 Cj 52 – Perdizes – São Paulo – SP
11 98408 0144 – 11 95038 4375

%d blogueiros gostam disto: