Empatia: entenda até qual ponto ela é saudável

Por Luciane Cadan

Diante dos atuais acontecimentos e processos evolutivos da humanidade, muito ouvimos falar sobre se colocar no lugar do outro e praticar a empatia. Ter Empatia é muito difícil para alguns e natural para muitos outros. Você se considera uma pessoa com esta característica? Vamos saber mais sobre ela!

 Apesar da semelhança, a empatia é diferente da simpatia. Ser simpático é ser agradável, mesmo que não haja tanta afinidade, etc. Já a empatia é saber ouvir, compreender e acolher o outro, é estar ali de verdade, independente das diferenças. Apesar de considerarmos essas duas ações louváveis, na realidade, às vezes, não é tão simples de praticar.

Algumas pessoas são tão empáticas que acabam se sabotando. É uma autossabotagem colocar sempre o outro em primeiro plano e esquecer de si mesmo. Eu cuido tanto dos meus filhos, pais, amigos, avós, marido, esposa e não tenho tempo para me cuidar! Existe empatia sim, mas existe uma “bomba relógio” a ponto de explodir também e que, na hora que explodir vai causar mais danos que benefícios a si próprio e a todos que estão ao redor.

Só conseguimos entregar o melhor ao outro se estivermos bem. Caso contrário, como diz o ditado:  Cobrimos a cabeça e descobrimos o pé.

E se você ainda não possui esse comportamento empático saiba que a empatia pode ser buscada gradativamente. Você não deve se preocupar em ser empático (a) de um dia para o outro. O ideal é reconhecer suas limitações, saber até onde sabe lidar com algo ou não, e a partir disso começar a ver as situações e as atitudes das pessoas como alguém que possui uma história de vida, tradições, crenças e necessidades a serem compreendidas ou apenas ouvidas, assim como nós! 
– E se, eu estivesse no lugar dele, como seria?

Essa prática pode ser frutuosa em todos os âmbitos da vida, seja dentro de casa, com os filhos, com os colegas de estudos, trabalho ou simplesmente com desconhecidos. Como você lida com pessoas que possuem opinião diferente da sua? De que forma você reage? Você costuma acolher ou repelir estas pessoas?

É comum querermos nos concentrar em nossos gostos e ciclos de conhecimento, porém isso não pode ser uma barreira para aceitarmos que o mundo possui pessoas com as mais diversas realidades, e elas vivem e sobrevivem diante de vitórias e dificuldades assim como nós. Por questão disso, devemos desde já fazer com que este termo não seja apenas algo que está sendo muito comentado,  mas sim algo passado e exercitado em nossa vida e ao nosso redor.
 
Buscar ouvir, ter compaixão e/ou até mesmo realizar uma ação que vá ao encontro de um auxílio para o próximo pode te trazer paz, leveza e bem-estar e também levar tudo isso ao outro.

Cada pessoa que chega é para nos trazer um aprendizado, por pior que seja a situação, existe um aprendizado positivo nela. São verdadeiras oportunidades de corrigirmos a nós mesmos colocando-nos no lugar do outro.

Mas vale lembrar: – Seja empático, mas não se sabote!!!

 

O vencedor do Oscar 2019 retrata bem o assunto. Quer saber mais sobre empatia, assista! No somatório das qualidades, ‘Green Book: O Guia’, que aliás tem esse título devido a existência de um ridículo livro de normas que deveriam ser seguidas por negros, incluindo lugares onde poderiam frequentar, é um filme despretensioso mas não vazio, que diverte e emociona sem forçar a barra, afinal, seu objetivo real é mostrar que são nossas diferenças que nos fazem sermos tão singulares. Um filme para colocar bondade, empatia e compaixão no coração. 

 

Outro filme que dá uma lição sobre o assunto: Intocáveis, de Olivier Nakashe e Eric Toledano. Um acidente de paraquedas deixa um milionário aristocrata tetraplégico e ele contrata um jovem recém saído da prisão para ser seu cuidador. Um filme derradeiro que ilustra a diferença entre empatia e compaixão. É uma maravilhosa lição para todos que assistirem.

 
Luciane Cadan
Personal and Health CoachProfessora de Educação Física, Ergonomista e Life Coach.
Pós Graduada em Bases da Saúde Integrativa pelo Hospital Israelita Albert Einstein – São Paulo.  Pós Graduada em Ergonomia pela UGF, SP. Graduada em Educação Física pela Universidade Estadual de Londrina, PR.  Certificada e Credenciada pelo IBCInstituto Brasileiro de Coaching em Psicologia Positiva e Coaching. Curso Profissão Coach com certificação pela Florida Christian University e Certificação Internacional de Coaching para Pais pela The Parent Coaching Academy, Inglaterra. Coautora no Livro Coaching para pais – Estratégias e Ferramentas para a harmonia familiar Vol 1. , 42 anos, mãe de 2 meninos, de 12 e 7 anos de idade. 
 

Luciane Cadan 
Master Coach Pós Graduada em Psicologia Positiva e Medicina Integrativa
www.360saudeintegrativa.com.br
(11) 98408 0144

Colunas anteriores:

Você sabe ouvir de verdade?

Recebi o diagnóstico, e agora?

Relações afetivas podem provocar mudanças de comportamento e te ajudar muito na conquista das suas metas

A Busca da FELICIDADE de acordo com a PSICOLOGIA POSITIVA

Relações afetivas e os comportamentos

Como não se sentir culpada com as dificuldades em ser mãe?

Perder o controle ou controlar as emoções?

A mulher moderna e suas “mil” funções

Pessoas difíceis, agir ou reagir?

Coach: Saiba identificar o seu perfil comportamental

Como desenvolver e manter o pensamento positivo

Brincar em família é garantia de boas lembranças no futuro

O papel das emoções no desenvolvimento pessoal

O que você espera para o fim do ano?

Cinco passos para desenvolver a Inteligência Emocional hoje mesmo!

Para o Dia das Crianças, guarde boas lembranças

Outubro Rosa: se toque e conheça seu corpo

Simplifique a sua vida!

Transforme aquilo que te faz feliz em renda extra

Sobre ser mãe de primeira viagem e o caminho de volta ao trabalho

%d blogueiros gostam disto: