Dica pratica de leitura: “Madeimoselle Chanel e o Cheiro do Amor”

Por Nathalie Murcia

Hoje a dica literária abrange a vida de uma mulher admirada ao longo dos séculos, e que marcou presença no mundo da moda e dos perfumes.

Trata-se da biografia da francesa Gabrielle Coco Chanel, (“Madeimoselle Chanel e o Cheiro do Amor”), escrita por Michelle Marly,  voltada ao período que antecedeu a fabricação do famoso perfume Chanel 5.

Coco foi uma menina criada em um orfanato, após sua mãe ter falecido e seu pai tê-la abandonado, aos oito anos. Apesar das origens simplórias (filha de uma costureira e um mascate), Coco tinha um tino para os negócios e uma elegância inata. Sua entrada no mundo da alta costura se iniciou com uma confecção de chapéus, financiada pelo amigo Étienne Balsan.

Posteriormente, desenhou modelos de roupas inovadoras para à época, incluindo as calças femininas. Entretanto, somente após a trágica morte de seu amor e amante, Boy Chapel, ela teve a ideia de criar um perfume inesquecível e diferente de tudo o que havia sido feito, como forma de imortalizar a memória do amado e prestigiar seletas clientes. Com o apoio da amiga Misia Sert, uma mecenas das belas artes, e da influência de seu novo affair, Dimitri Romanov, refugiado na França após a queda dessa dinastia russa, Chanel conheceu uma misteriosa fragrância chypre a base de aldeídos (denominada Lê Bouquet de Catherine, em homenagem à czarina Catarina, a Grande), usada pela grã-princesa Maria Pavlovna.

Dimitri também foi o responsável pela apresentação de Gabrielle ao perfumista encarregado de produzir a essência que se tornou sua marca, a partir do protótipo russo. O 5 sempre foi o seu número de sorte.

Chanel foi uma mulher apaixonante, sagaz e que vivia o amor de forma plena, desprendida das convenções sociais. Sua trajetória de vida é repleta de fatos interessantes e desconhecidos, tal como sua amizade com Pablo Picasso. Ela morreu aos 88 anos, milionária, na suíte do Hotel Ritz, onde residiu por muitos anos. A fragrância por ela criada é uma das mais vendidas até hoje.

Coco também eternizou o vestido preto, o bouclê e o colar de pérolas.

Amei a história de Chanel e a maneira como foi escrita. As folhas do livro exalam o aroma do perfume. Enfim, uma obra à altura de sua dona. Imperdível.

Nathalie Murcia Rodrigues dos Santos: Tenho 35 anos, sou geminiana e Delegada de Polícia de São Paulo. Nas horas livres, me dedico à minha paixão pela literatura. Meu objetivo, nesta coluna, é contribuir minimamente com dicas de livros que li, além de sériesfilmes e entretenimento em geral. Sejam bem-vindos (as) e divertam-se!

%d blogueiros gostam disto: