@coachdefracassos faz sucesso no Instagram ao lidar com muito bom humor com as fragilidades humanas

Por Maria Cláudia Aravecchia Klein

Sempre destacamos personagens desse mundo virtual por aqui. Conheci o perfil no Instagram – coachdefracassos ouvindo a Radio Kiss , quando levava meu filho mais velho pro colégio. O apresentador falou duas frases extraídas do perfil, fiquei curiosa e assim que peguei o celular na mão, achei.

Adorei! Uma forma criativa de se posicionar sobre um assunto tão peculiar ao ser humano: como lidar com o fracasso e as frustrações, algo tão comum e inerente à espécie. Só que mega banalizado pela luta incansável de fórmulas e mentores do sucesso absoluto.

E, como minha curiosidade aumentou, fui buscar a fonte. Afinal, esse é o meu melhor papel, ir atrás da fonte. E, o cara me respondeu!

Logo no início da nossa conversa, por email, o Júlio, criador do Coach de Fracassos já falou que preza pelo anonimato. Porém, ele abriu que é engenheiro de computação e doutorando em Engenharia de Teleinformática. “Atualmente atuo como professor universitário e pesquisador na área de Data Science e Machine Learning”.

São mais de 411 mil seguidores no Instagram e mais de 84 mil no Facebook, sem contar nas outras redes. O conteúdo, criado por um engenheiro de Fortaleza, agrada em cheio quem, assim como ele, acredita na humanização do fracasso.

Abaixo, segue o nosso bate-papo:

Revista Vida Prática: O que te levou a criar esse perfil? Começou no Instagram? Em que ano? 
Coach de Fracassos: Eu era obeso, pesava 125kg com 1,87 m de altura. Passei por um processo natural de emagrecimento no qual perdi 40 kg em 6 meses. Com acompanhamento de nutricionista, endocrinologista, psicólogo e educador físico (academia + exercícios diários). Certo dia, na festa de aniversário de um amigo, uma pessoa ficou bastante surpresa com a minha performance no processo de emagrecimento e soltou a seguinte pérola: “Você emagreceu errado”.

Sem entender muito bem o que ela tinha falado eu perguntei o contexto e ela se apresentou como Coach de Emagrecimento. Eu perguntei a formação dela e ela respondeu que era estudante de Administração (5° período) e tinha feito um curso de coach de emagrecimento e revendia shakes. Eu fiquei indignado e falei que eu tinha o acompanhamento de alguns profissionais. Meio que ela ficou aborrecida e ainda disse que eu era um ex-gordo, mas que iria voltar a engordar porque não tinha seguido as orientações dos nutricionistas. Enfim ela fez um barraco desnecessário.

Chegando em casa eu fiz um breve pesquisa e achei o perfil dela no Instagram e me deparei com alguns ‘absurdos’. Fui vasculhando algo que eu sabia que existia e fui achando cada coisa mais absurda do que a outra. Depois, durante uma conversa com uma amiga, psicóloga, ela me contou os casos de Coachs que estavam “curando” a depressão em algumas sessões e as pessoas estavam caindo em um golpe de charlatanismo e de falso exercício da profissão.

Então, decidi criar o perfil satirizando esses Coachs, passando uma visão de que é normal falhar, é normal errar, é normal fracassar. Humanizar o fracasso como forma de tirar o peso social que exige que sejamos perfeito em tudo. E estamos longe disso. A questão não é como fracassar ou deixar de fracassar e sim como conviver com o fracasso. Não saber conviver com isso é uma forma de potencializar possíveis Transtornos Mentais, que devem ser tratados e acompanhados por profissionais da saúde.

Revista Vida Prática: Você se considera um influenciador digital?
Coach de Fracassos:
Eu brinco que me considero um (des)influenciador digital, pois vou na contra mão do mercado digital. Por que eu não vendo sonhos, nem alta performance e nem felicidade (mesmo que artificial). Mas, percebi que existe um grupo que tem a mesma visão que a minha. Que vê o papel do Coach de forma estranha.

Revista Vida Prática: Que tipo de público mais se identifica com o perfil? 
Coach de Fracassos: Em média pessoas entre 18-34 anos, que estão na graduação ou na pós-graduação. Que acreditam na Ciência e que entendem o contexto da página.

O fracasso é ir de fracasso em Fracasso sem perder o entusiasmo. Ninguém gosta de errar, mas todo mundo erra. É normal. O que não é normal é não saber lidar com o Fracasso, a falha ou o erro. Temos que HUMANIZAR O FRACASSO

Revista Vida Prática: E críticas? Já fez algum inimigo – teve problemas com associações de classe???
Coach de Fracassos: 
De Coachs.  Algumas situações foram hilárias. Porém, a maioria das críticas que eu recebo são construtivas. Principalmente de profissionais da área da psicologia e da saúde. Fracasso, insucesso, tristeza entre outros temas são muito difíceis de se tratar. As críticas tornaram a página um forma de potencializar a necessidade de se contratar profissionais sérios dessas áreas. E reforço isso nos stories, nos destaques e em algumas postagens do feed (porém, sempre de forma irônica). E recebi críticas construtivas por parte dos próprios Coachs. Toda profissão têm os profissionais sérios, os ruins e os picaretas. E muitos coachs que fazem um serviço (minimamente aceitável) estão pagando o preço pelos absurdos.

Revista Vida Prática: Em qual rede ou plataforma tem mais audiência?
Coach de Fracassos:
Instagram, escolhi focar nessa rede pois é o ambiente onde todo mundo é “feliz” e só posta bons momentos. E é o ambiente preferidos dos coachs com as famosas #lives às cinco da manhã.

Revista Vida Prática: Consegue ganhar dinheiro com essa presença digital? De que forma se monetiza?
Coach de Fracassos: Bem, eu comecei de forma bem amadora e estou prezando pelo amadorismo. No entanto estou fechando algumas parcerias que envolvem desde camisetas, canecas etc. E eventos como palestras e conversas no qual eu alinho a visão da página com o ecossistema dos novos modelos de empresas e negócios, sim, há um movimento em busca da Cultura do Erro e não da Cultura da Culpa. Os produtos serão lançados em breve, fim de setembro. E a ideia é manter passivos com produtos e espaço publicitário na página.

Revista Vida Prática: Qual a sua fórmula para criar conteúdo inteligente no meio de plataformas que instigam ao consumo, imediatismo, fake news e vidas nada reais mega bem-sucedidas?
Coach de Fracassos: Procrastinação Estruturada. Parece meio estranho, mas no meio das preparações das aulas e do dia a dia de ficar estudando programação, estatística e métodos científicos, eu faço as postagem como forma de alívio. Uma válvula de escape. E eu pego referências do cotidiano com as referências dos coachs.

Revista Vida Prática: Qual a sua disciplina de atualizações e postagens ? 
Coach de Fracassos: Uma postagem nova por dia. Os stories são alimentados pelos próprios seguidores, além de algumas dicas de músicas e livros que eu indico.

Revista Vida Prática: Com a banalização da palavra #coach, muita gente mudou sua nomenclatura para terapeuta, psicólogo, mentor…o que você acha disso? O coach de fracassos vai continuar ? Ou vai mudar de nome ?
Coach de Fracassos:
Psicólogo, terapeuta são profissões regulamentadas. O Coach de Fracassos vai continuar e não vai mudar de nome, mas vai começar a agir no eixo da mentoria e dos master coachs.

Palavras finais – A página tem como objetivo a humanização do fracasso. Usando um humor com absurdo caricato de um personagem coach anti-coaching. O Coach de Fracasso é a soma de várias vivências minhas no trabalho, na vida e na vivência acadêmica (pesquisa e professor). Tento valorizar a Ciência e os profissionais da saúde. Não há saúde sem saúde mental. 

%d blogueiros gostam disto: