5 dicas de ouro para o seu filho aprender a respeitar as diferenças

Por Ellen Senra

Olá novamente!

Na coluna deste mês vamos conversar sobre as dinâmicas familiares?

Pois bem, estamos vivendo novos tempos onde o conceito de família nuclear tornou-se obsoleto em sua essência, ainda que o seja de fato. Se por um lado temos um ideal de família com pai, mãe, filhos e bichinho de estimação, precisamos compreender que nem todas as famílias são assim hoje em dia e tudo bem que não sejam. Todavia, quando o assunto é compreensão e aceitação precisamos também orientar nossos filhos sobre o que existe ou não sem que para isso você precise deixar de defender os valores em que acredita.

Mas Ellen, como posso ensinar meu filho que o coleguinha da escola dele tem dois pais ou duas mães e que não há problema algum nisso?

Como posso ensinar a essa criança que tudo bem que um amiguinho ou outro não tenha pai ou não tenha mãe?

Como falar sobre os diferentes tipos de relações existentes hoje em dia sem que isso venha a ferir os valores morais que eu aprendi?

Calma! Estou aqui para isso e aqui vão 5 dicas de ouro para facilitar esse diálogo para você:

  1. Seja Claro!

Pode parecer absurdo, mas nossas crianças possuem uma capacidade de compreensão além da nossa, ou seja, são capazes de naturalizar coisas que para nós ainda podem soar estranho, por isso quanto mais claro você for em seu discurso, melhor.

  1. Ouça as dúvidas de seu filho e esclareça-as.

Sim, cabecinha de criança é uma caixinha de surpresa e eles podem vir com as mais absurdas ou brilhantes dúvidas possíveis e eles vão esperar uma resposta perspicaz de sua parte, ou seja, jamais vão se contentar com um simples “não sei”.

  1. Tente naturalizar o máximo possível.

Sei que pode não ser tão simples, mas as crianças tendem a reproduzir nosso comportamento e nosso discurso, portanto se você não for o mais natural possível quando for conversar com seu filho de certo ele perceberá que o assunto é desconfortável para você e vai querer entender o porquê.

  1. Entenda que mostrar ao seu filho o que existe não significa ser conivente com qualquer ideologia.

Quando digo aqui que você precisa conversar com seu filho e ensiná-lo sobre respeito e compreensão quero dizer que você estará contribuindo para a criação de um ser humano mais empático com a dor alheia e mais consciente do que existe independente de considerarmos certo ou errado, portanto não falo sobre propagar ideologias, mas de mostrar ao seu filho que existem pessoas diferentes no mundo em todos os sentidos, religioso, étnico, classe social, gênero sexual, opinião política e até mesmo diferentes times de futebol, pois no fim é assim que as coisas funcionam.

  1. Seja honesto!

De forma alguma minta para o seu filho falando coisas que você não pensa de fato, é claro que queremos que nossos filhos tenham o próprio senso crítico e por isso optamos por omitir alguns detalhes vez ou outra na tentativa de proteger nossos pequenos, mas a melhor proteção é sempre a informação, ainda que a mesma seja fornecida em doses homeopáticas de acordo com o que a criança tem ou não idade para compreender.

É isso gente!

Podemos falar na linguagem de nossos filhos de forma que os mesmos compreendam sem sofrimento e sem acesso a informação desnecessária para sua faixa de idade, mas ainda assim falarmos o que precisa ser dito. De resto, utilizem seu senso crítico e sua intuição para fazer sempre o melhor pelos seus.

Grande abraço e até a próxima!

Quer conversar mais sobre o assunto ou deixar suas próprias dicas e sugestões?

Me coloco a disposição pelo whatsapp e instagram: (21)97502-4033/ @psicologaellensenra

Ellen de Oliveira Moraes Senra é Psicoterapeuta Cognitivo Comportamental (CRP 05/42764)
Bacharel em Psicologia pelo Centro Universitário Celso Lisboa
Formação em Terapia Cognitivo Comportamental
Psicóloga Clínica voltada para o atendimento individual de crianças, adolescentes e adultos
www.facebook.com/PsicologaEllenMoraes
Tel.: (21) 97502-4033
ellenmsenra@gmail.com

%d blogueiros gostam disto: